MEU FILHO TEM ANEMIA?

13/09/2015 14:48

 

Se seu filho está pálido, apático e não tem ânimo nem para brincar, correr ou praticar esportes, preste atenção, pois pode ser um sinal de que ele está com anemia. Quando a a criança está com esta doença, também pode passar a ter menos interesse na escola e até ficar mais distante do convívio social, porque se sente cansada.

 

A anemia afeta negativamente a produção de hemoglobina, uma substância presente nos glóbulos vermelhos, que faz com que o sangue transporte oxigênio para todas as partes do nosso corpo. A anemia é causada principalmente pela má alimentação e, consequentemente, pela deficiência de nutrientes como ferro, vitamina B12 e ácido fólico. No mundo inteiro, a causa mais frequente é a falta de ferro, em geral, em decorrência da nutrição inadequada, presente não só nas classes menos favorecidas, mas também entre pessoas com alto poder econômico, que não aprenderam a importância de ingerir uma alimentação sadia e equilibrada.

 

A carne vermelha é o alimento que oferece ferro em maior quantidade e mais fácil de ser absorvido. Vegetais de folhas escuras também contêm muito ferro, mas sua absorção é menor. Os cereais de modo geral, e em particular o feijão e a lentilha, são ricos em ferro. O ideal é comer de tudo um pouco. Uma criança com  alimentação balanceada dificilmente vai ter anemia.

 

A maior causa da doença é a deficiência de ferro no organismo, que pode ser ocasionada tanto pela alimentação quanto por perda de sangue, por exemplo, se a criança se machucar ou apresentar problemas de coagulação. Mas, em casos mais raros, a  má absorção de ferro pelo intestino também pode levar à doença.

 

Diagnóstico e tratamento

 

Quando há suspeita de anemia, é necessário levar a criança ao médico, fazer acompanhamento nutricional e uma investigação completa. Anemia não é um diagnóstico final, mas uma consequência. Uma vez que ela foi diagnosticada, o médico deve investigar a causa.

O tipo de exame que o médico pode pedir varia de criança para criança, dependendo do caso, do relato dos pais e do histórico do paciente. Em alguns quadros, o tratamento pode incluir a reposição dos nutrientes através de medicamentos, além da mudança alimentar, sempre acompanhados por um profissional.