GRUPO SANGUÍNEO E FATOR RH, POR QUE CONHECER O SEU?

07/06/2015 13:49

 

Em alguns momentos da vida, é imprescindível saber certas informações sobre a própria saúde. Qualquer atendimento médico especializado, e até mesmo uma possível internação, depende de uma série de perguntas que o paciente precisa responder, como a existência ou não de alergias a algum medicamento e, antes de qualquer coisa, qual é o tipo sanguíneo e fator Rh que o acompanha, como o A + ou o O -, por exemplo. O problema é que nem todo mundo sabe responder a essa pergunta e também não faz ideia do quanto essa informação é importante.

Um grupo sanguíneo se baseia na presença ou ausência de duas proteínas, A e B, na superfície das hemácias (células vermelhas do sangue). Existem quatro combinações possíveis, ou seja, quatro grupos sanguíneos:

- Grupo A - apenas a proteína A está presente; 
- Grupo B - apenas a proteína B está presente;
- Grupo AB - ambas as proteínas estão presentes;
- Grupo O - nenhuma das proteínas está presente.

Cada indivíduo pertence a um grupo sanguíneo, sendo este adquirido de maneira hereditária através de genes, sendo um de origem materna e outro, paterna.

Existem três formas dos genes que controlam o grupo sanguíneo: iA, iB e i. Cada indivíduo possui dois genes para o grupo sanguíneo (um do pai, e um da mãe), que produzirão os seguintes grupos sanguíneos:

- Grupo A - genes iAiA ou iAi - ambos produzem a proteína A;
- Grupo B - genes iBiB ou iBi - ambos produzem a proteína B;
- Grupo AB - genes iAiB - produz as proteínas A e B;
- Grupo O - genes ii - não produzem proteína.

Portanto, o grupo sanguíneo não diz exatamente quais genes o indivíduo possui. Por exemplo, uma pessoa que pertence ao grupo A pode ter dois genes iA ou um gene iA e um gene i. É possível para pais com o mesmo grupo sanguíneo (A ou B), ter um filho pertencente ao grupo O. Nesse caso, ambos os pais possuem um gene i junto com um gene iA ou iB.

Além das proteínas A e B, há outra proteína envolvida, responsável pelo fator Rh. O fator Rh pode estar presente (Rh positivo); ou ausente (Rh negativo). Pessoas que possuem fator Rh negativo podem pertencer a variante Du, sendo considerados Rh positivo para efeitos de transfusão de sangue.

Segundo especialistas, sua presença deve ser pesquisada, já que a transfusão de sangue Du positivo irá prejudicar os receptores de sangue Rh negativos. 

 

DOAÇÃO DE SANGUE

Grupo sangüíneo e Fator Rh são importantes principalmente em casos de transfusão de sangue, e podem ser realizados em um laboratório de análises clínicas. Os grupos sanguíneos devem ser combinados; se isso não acontecer, prejudicarão o receptor. 

 

GESTAÇÃO

Em obstetrícia o fator Rh apresenta grande importância devido à ocorrência de incompatibilidade sangüínea materno-fetal, quando um bebê Rh positivo é gerado por mãe Rh negativo. Sensibilizada pelas hemácias do bebê que atravessam a placenta, a mãe produz anticorpos anti-Rh que alcançam o bebê, podendo levar ao aparecimento da doença hemolítica do recém-nascido (DHRN). Assim, conhecer o tipo sanguíneo e o Fator Rh é tão importante antes de transfusões de sangue quanto em caso de gravidez, já que a incompatibilidade sanguínea entre a mãe e o feto precisa ser diagnosticada o mais cedo possível.